Posted on 13:48 4 comments

QuartoPara Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la. O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar.

Sempre que um livro é muito bom e/ou se torna meu favorito, eu fico com dificuldades para fazer uma resenha sobre ele, porque fico com dificuldades de expressar o quanto eu gostei dele e fico com medo de não conseguir passar essa ideia na resenha. Foi exatamente o que aconteceu com esse livro, eu simplesmente me apaixonei por ele e ele virou um dos meus favoritos. Ele é sincero, emocionante e fala de um assunto tão difícil e pesado de uma forma única, simples e cativante, Quarto é um livro que conta uma história forte através dos olhos inocentes de uma criança de cinco anos. Espero conseguir passar um pouquinho de tudo que há no livro, que se tornou um dos meus favoritos.
Jack é simplesmente uma criança e seu mundo se resume ao quarto em que vive com a mãe. Ele não sabe o que existe para além da claraboia, os canais de televisão são para ele como "planetas" onde acontecem coisas incríveis e os personagens são seus amigos. Ele realmente vive um mundo de fantasia, mas quando chega a noite ele deve ficar muito quieto no seu guarda-roupas quando o Velho Nick vem visitar a mãe. Ele é tão inocente que não sabe porque a cama geme enquanto o velho se deita lá. Com o passar dos dias, sua mãe tenta revelar ao filho a verdade sobre algumas coisas e, depois, elabora um plano desesperadamente ousado para se ver fora daquele lugar. E Jack é uma peça fundamental dele. Essa é uma parte realmente empolgante do livro. É quase possível ver tudo pelos olhos do garoto.
Não é possível terminar Quarto e partir para um outro livro sem tirar um tempo para meditar sobre tudo o que leu. Até onde você pode manter a inocência de uma criança que não conhece o "Lá Fora"? Como simplesmente não enlouquecer após anos e anos de abuso? A autora soube dosar bem o tema pesado retratado no livro, nos mostrando pelos olhos de uma criança inocente que acredita que não existe nada além do quarto!

A leitura do livro feita apenas pela ótica do Jack tornou o livro bastante leve, terna e muitas vezes engraçada, ou angustiante, embora o assunto tratado fosse hediondo. Quem espera detalhes sórdidos sobre o crime cometido contra o protagonista e sua mãe, na certa ficará decepcionado, embora naturalmente o grotesco da situação seja palpável a cada página. Por não ser repetitivo e também por aguçar a curiosidade quanto ao desfecho da situação, o livro nos prende a cada página. Apesar de apresentar o inicio de uma nova situação, fora dos limites vividos pelo protagonista nos primeiros cinco anos de sua existência, ficou um gosto de "quero mais", porque a vontade de acompanhar a adaptação do menino na vastidão do mundo que acaba por cercá-lo é imensa e o término do livro acabou por me deixar triste, meio órfã mesmo... 
No começo eu tive uma leve dificuldade para acompanhar o modo como o Jack conta a história, mas depois de algumas páginas eu já estava acostumada e querendo saber mais sobre a história do Jack e da sua Mãe. Foi um dos poucos livros que me prendeu de uma forma tão grande que eu não queria nem dormir para continuar lendo mais e mais. 
Quarto é um livro muito bom! Você torce por Jack, se diverte e chora com a inocência dele. Não deixem de ler.

"Quarto é um livro para se ler de uma assentada. Quando ele termina, você ergue os olhos: o mundo parece o mesmo, mas, de algum modo, você está diferente, e essa sensação persisti por dias." Audrey Niffenegger











4 comentários:

  1. Oi Letícia
    Infelizmente eu não me dei tão bem com o livro quanto você. Talvez eu estivesse esperando os detalhes sórdidos sobre a situação cruel onde Jack e sua mãe se encontraram durante anos. Quando o livro tomou outro rumo, eu me perdi na história. O desenrolar da história me pegou desprevinida, eu imaginei um enredo diferente.
    Como você disse, a narrativa é leve apesar de levar algumas páginas para nos acostumarmos com a visão de Jack sobre o mundo em que vive. Sem contar que o livro é simplesmente lindo.

    Beijoo
    Lu
    http://sem-spoiler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu!! Antes de ler o livro eu tinha lido algumas resenhas a respeito então já sabia o que esperar do livro, facilitou muito para eu me dar bem com o livro. Mas uma das coisas que eu mais gostei foi exatamente a autora não ter dado esses detalhes sórdidos, a história não sobre o Velho Nick e sim sobre o Jack e a Mãe, gostei de como ela mostrou a inocência dele em não saber o que era aqueles rangidos da cama e os 'barulhos" que o Velho Nick fazia! Mas que pena que você não se deu tão bem com o livro :( mas concordo o livro é muito lindo <3

      Beijos

      Excluir
  2. Sempre escuto maravilhas sobre esse livro, mas nunca cheguei a ler de fato, parece ser bacana.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Inês!! Tudo bem?
      O livro é lindo, você termina ele e leva um tempo para "digerir" todo ele kk A história é linda e a narrativa sob a perspectiva do Jack, que tem 5 anos, é diferente e dá um toque especial no livro. Vale a pena!!

      Beijos

      Excluir