Posted on 09:38 No comments


A primeira vez em que aconteceu, pareceu um milagre impossível. As contas estavam se acumulando, formando dívidas que eu jamais seria capaz de pagar. Eram contas do hospital onde minha mãe estava, do colégio onde ele estudava, de onde eu mesma estudava, aluguel, eletricidade: tudo nos meus ombros. E eu tinha acabado de perder meu emprego. Não havia esperança, dinheiro na minha conta ou trabalho para o qual eu pudesse ser contratada. Então, quando eu achei que estava tudo perdido, achei um envelope na caixa de correio – sem endereço para retorno. Meu nome na frente, meu endereço. Dentro dele, um cheque de dez mil dólares feito para mim. Suficiente para quitar as dívidas e me sustentar por um tempo, até eu achar um emprego. Suficiente para me permitir prestar atenção nas aulas. Não havia nome além de ‘VRI Inc.’. Nenhuma dica ou razão que justificasse ele ali. Nada sobre como eu pagaria de volta, nada sobre interesses. Nada, exceto uma palavra escrita num papel: ‘você’. Se você recebesse um cheque misterioso com dinheiro suficiente para apagar todas as suas preocupações, você o usaria? Eu usei. No mês seguinte, outro cheque chegou. Novamente da VRI Inc. E também continha uma palavra: ‘pertence’. No terceiro mês, foram duas palavras, quatro letras: ‘a mim’. Os cheques continuaram chegando. Os recados pararam. Dez mil dólares, todo mês. Uma garota pode se acostumar a isso – e bem rápido. Eu podia pagar contas, deixar meu irmãozinho continuar indo à escola e permitir que minha mãe continuasse recebendo tratamento. Como você nega o dinheiro que parece de graça quando está desesperada? Você não nega. Eu não neguei. Após um ano, uma batida na minha porta. Uma limousine preta em frente à minha casa. Então um homem me diz seis palavras: ‘É hora de pagar suas dívidas.’ Você teria entrado no carro? Eu entrei. Acontece que 120 mil dólares não vem de graça.
Kyrie St. Claire decididamente parece estar na pior. Ela perdeu o emprego, está praticamente sem dinheiro, sem eletricidade, sem comida na geladeira e as contas não param de chegar. Desde que seu pai foi assassinado há sete anos, Kyrie é responsável pelo seu irmão e pela sua mãe. É ela quem paga, a faculdade do caçula e as contas hospitalares da mãe. Já o nosso misterioso Alpha (não vou dizer o nome dele porque seria spoiler) é sex appeal personificado. Sua palavras são estimulo puro. Seu toque é verdadeiro êxtase. Suas promessas são incríveis. Mas ele tem um segredo. Um segredo que pode mudar tudo entre ele e Kyrie.
Esse é o segundo livro da Jasinda que eu leio, o primeiro foi Stripped (resenha aqui) e não foi uma experiencia muito agradável, mas depois de ler a sinopse desse livro eu fiquei bem curiosa sobre essa história, então decidi dar mais uma chance a autora. Contudo, apesar da incrível química entre os personagens e do livro ter me conquistado em suas primeira páginas, ao final eu me peguei na dúvida se realmente havia gostado da estória. Isto porque, apesar da premissa ser brilhante, a trama em si deixou a desejar. Enquanto eu, como muitas leitoras adoro romances apimentados, o componente erótico da trama conseguiu ofuscar todos os outros, inclusive no que tange ao desenvolvimento dos personagens e a evolução da trama. Eu sinto que não consegui me conectar aos personagens, e teria gostado mais se o enredo em si tivesse me mantido tão alerta quanto as explícitas cenas entre Kyrie e seu misterioso benfeitor. 
Eu acho que faltou algo além do sexo, algo que desenvolvesse mais os personagens e a história por trás deles, principalmente pelo nosso misterioso Alpha. A história teria ficado bem melhor se fosse explorado mais sobre seu personagem. Fora isso a autora apresentou uma história muito bem escrita, fluída e nem um pouco cansativa kkk as cenas de sexo foram bem escritas e não ficaram maçantes, principalmente se você levar em consideração o tanto de cenas que tem kk.
Apesar de tudo acho que o livro não foi ruim, só não foi excelente kkk mas com toda certeza esse livro fará o leitor se derreter em uma poça de desejo kkk


0 comentários:

Postar um comentário