Posted on 12:53 4 comments


Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.

Esse é primeiro livro do Matthew Quick que eu leio (sim, eu – ainda - não li O Lado Bom da Vida), e devo dizer de antemão que eu já me apaixonei pelo modo como o autor escreve. Você me pergunta por quê? Simples! Matthew Quick apresenta Leonard Peacock e toda sua confusão interna por meio de uma linguagem simples (o que não decepciona) perfeita para um garoto de 18 anos, mas ainda sim ela não deixa de ser intensa e reflexiva.

Perdão, Leonard Peacock narra o aniversário de 18 anos de Leonard e a sua decisão de matar Asher Bell (seu ex melhor amigo) e se suicidar em seguida usando a P-38, uma arma nazista, que seu avô trouxera da guerra. Mas antes disso acontecer ele decide presentear as quatro pessoas mais importantes da sua vida: seu vizinho Walt, de quase noventa anos, viciado nos filmes do Bogart, seu professor Herr Silverman, o qual ele admira muito, Lauren, a garota que entrega panfletos sobre Jesus no metrô e Baback, um colega de escola que toca violino brilhantemente.

Ao longo do livro Matthew Quick nos apresenta a historia de Leo de uma forma intensa e real, podemos sentir toda a tristeza, ódio e sofrimento de Peacock. No começo não se sabe exatamente o motivo dele odiar seu ex-melhor amigo Asher, mas ao longo da leitura ele vai dando dicas do que realmente aconteceu e é só no final que temos de fato a certeza! Leonard vai narrando o seu dia procurando constantemente alguém que perceba que hoje é o seu aniversário (essa é a sua tábua de salvação), mas ninguém percebe e isso só o leva a ter certeza que se suicidar é o melhor a fazer.

Mas não é só o personagem principal que chama a atenção no livro, cada um dos personagens secundários fazem da jornada de Peacock algo interessante, desde Linda, a mãe distante que não se interessa pelo livro até o Walt, o mais próximo de melhor amigo que Leonard tem.

Perdão, Leonard Peacock é um livro que tem como pano de fundo um assunto delicado como o bullying contado pelo prisma de um assassino/ suicida, o que pode levar ao leitor a se preocupar como o tema foi abordado, se ele não caiu num clichê ou se ele não influencia alguém a tomar a essa decisão. Mas Matthew Quick soube apresentar nas 224 paginas uma história que faz com que você entenda a atitude de Leo, mas também queira gritar para ele que você se importa, que você lembra do seu aniversário...

Leonard Peacock é o vilão para quem você torce no final, mas também é o mocinho que te emociona, é o tipo de personagem marcante, que depois de ler sua história você precisa de alguns minutos para digerir e refletir sobre ele.

 Em 224 páginas conheceremos os motivos que levaram Leonard Peacock a tomar uma atitude tão drástica. Entenderemos o porquê dele está tão deprimido e caminharemos ao seu lado ao encontro da morte.





4 comentários:

  1. Muito boa a resenha, parabéns meninas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Owwn *-* Obrigada!! Essa resenha é só o começo, em breve teremos muito mais para você aproveitar! =D

      Excluir
  2. Adorei a resenha.
    O blog é muito lindo.

    trezestrelas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Danielle! Obrigada *-* Fico feliz que você tenha gostado, volte sempre!!

      Excluir